6 de outubro de 2017

Não sei no que acreditar. Poucas exceções.

Por muito tempo acreditei em amor ao próximo, na união das pessoas e em um convívio pacífico entre elas porém após certo tempo percebi que a imensa quantidade de indivíduos faz com que essas coisas sejam utópicas. Cada vez mais é cultuado um individualismo prejudicial, o egoísmo, fazendo os valores citados serem notados somente entre grupos pequenos, assim me coloco como defensor destes valores mas restringindo aos que agem da mesma forma e como a maioria das pessoas são cínicas e vivem somente o que lhes é conveniente fica difícil de compartilhar.
Como vi em um texto de minhas referências a gente se torna cínico para poder lidar com o cinismo, agir assim não é errado já que o senso comum é mais cínico e egoísta do que amoroso e pacífico.
Sei conviver em sociedade pois sempre fui resiliente mas tive que deixar muito do que pregava para trás para poder manter um convívio saudável e que não seja prejudicial para ninguém.
O número de pessoas que estão preocupadas com algo importante é muitíssimo menor do que as pessoas que estão preocupadas com futilidades, e os sistemas de controle aproveitam muito bem dessa brecha para dominar ainda mais.
Eu acreditei que poderia ensinar as pessoas, abrir seus olhos mas desisti pois parece impossível, poucos estão de ouvidos abertos e interessados mas quem demonstrar sinais de interesse poderá ser ensinado.
Não perdi a fé em algumas minorias, alguns grupos de pessoas específicos me fazem ter vontade de continuar a compartilhar tudo que aprendo, de tornar o ambiente em que vivemos melhor, sempre estarei aqui com vontade de fazer algo pelo próximo mas preciso ver a necessidade da outra pessoa de aprender também, de entender as mudanças, ser resiliente.
Cansei de ver a lei do retorno não funcionar quando sinto que sou gentil e educado demais com as pessoas enquanto a maioria delas nem liga para isso.
Autonomia de pensamento nos faz ir longe demais, sinto vontade de mostrar ao mundo a minha loucura mas percebo que ele não merece, por isso tento registra-la como agora. De que adianta tanta gente aglomerada sem um propósito? A situação já não é drástica o bastante para continuarmos sem ação? Os grupos pequenos ficam imobilizados pois ao nosso redor só se propaga o que não queremos.
Sou sensível e como li em outro texto: "ser sensível em um mundo cruel é um fardo" e por mais empático que eu seja nunca serei a solução de problemas individuais, mesmo estando disposto a ajudar.
Eu permaneço aqui pronto para apoiar e ajudar da forma que for possível aqueles que fizerem por merecer. Sei exatamente quais pessoas merecem amor, sei exatamente as quais tenho respeito e admiração, digo isso porque isso é em uma motivação para que eu faça algo, agir é necessário e a ação de algumas pessoas ao meu redor ou do meu meio de amizades sempre me surpreendem, gosto de ver o sucesso dos meus companheiros pois isso inspira o meu próprio sucesso.
Não sei necessariamente qual o intuito de tudo que eu disse e se há algum sentido nisso, mas como já disse, acredito que alguns, poucos, conseguem me entender.

30 de setembro de 2017

Indigenas

Os indígenas sempre serão meus exemplos de sabedoria.
Entendem sobre a cura através de formulas tiradas da natureza.
Vivem em uma estrutura de coletividade que é inteligente, funciona bem e que o sistema hoje faz propaganda constante contra.
Sempre ouvi muitas pessoas dizendo que as culturas mais antigas sempre foram mais inteligentes e a cada dia eu acredito mais nesta proporção e os indígenas são um ótimo exemplo disso.
A história da América Latina é fortemente construída pelos indígenas e todas outras formas de tribo existentes no continente (ou não existentes também, como os Maias)
Infelizmente, parte da história da America Latina só é triste por causa da extorsão que houve dos colonizadores, fazendo com que eles permanecessem riquíssimos até hoje, conseguindo convencer inclusive a vivermos sua cultura, seus modos e padrões.
Se eu pudesse fazer algo por eles agora eu adoraria pois sei que há um genocídio deles sendo cometido nos interiores desse Brasil.

1 de setembro de 2017

Primeira Rima, precisa ser salva na internet, nunca fui tão criativo

Ja cedi varias vezes pela pressão do universo 
Ja me senti fraco no meio desse processo 
Já pequei pelo excesso 
Hoje já não mais me impeço 
Apenas peço 
Paciência e progresso 
Sempre me estresso 

Sinto uma revolta que arromba uma porta 
Que vai da mente fraca até a brisa torta 

Sei que na sua cabeça ainda há uma  resistência 
Para explicar isso aqui nem mesmo a ciência 

A partir daqui eu vou continuar rimando 
Procurando boas palavras para seguir criando 
Vou cortar direto quem chega parasitando 
Vou quebrar as asas de quem chega arrastando  

A elevação está na profundidade 
É no fundo do poço que se ve luz de verdade 

Caminhei demais para chegar onde cheguei 
Já não mais me lembro quantas portas da mente arrombei 
Tive que agir pelo tanto que sonhei 
Eu não deixei de sonhar porque cedo acordei 

Rua esburacada, calçada mal tratada 
Por que o povo aqui não quer saber de nada 
Só quem curte os versos é que liga pra quebrada 
Essa é minha forma de te dar uma porrada 

Não me sinto artista 
Não me sinto poeta 
Escrever é meu jeito de dizer qual é a meta 

As palavras chegam causando apavoro 
Cada verso é muito mais que um estouro 
Se continuar cavando você chega no tesouro 
Com o peso da guitarra esse verso vira ouro 

E o segredo sempre esteve na profundidade 
Quanto mais funda a escavação melhor é a insanidade 
Insanidade de verdade é ouvir isso aqui e ter vontade 

  







31 de julho de 2017

Escrevendo para me libertar

Nós criamos prisões dentro de nós mesmos e isso traz a vontade de lutar pela liberdade. Estou escrevendo para me libertar do arrependimento, do erro imperdoável que eu cometi, preciso escrever para saber que minha mente ainda consegue trabalhar de forma racional, que o meu coração mole não vai falar mais alto agora, ceticismo é algo que existe para muitos sentimentos e para que eu consiga viver bem eu terei que agir da mesma forma, preciso bloquear os pensamentos negativos para não me afundar por causa de uma cagada que eu cometi e que leva a minha motivação ao fim. Eu estou livre para ser quem eu sou, como sou, mas tenho que agir conforme manda a música, tenho que ser resiliente e bater de frente contra todas as adversidades que possam aparecer, sei que tenho capacidade e vontade de estar aqui lutando por algo. Lutar por alguém é algo que farei somente para aqueles que os laços estão distantes de ser destruídos.
A vida é aprendizado até não termos mais nada a oferecer e partirmos. Todos nós vivemos o gene egoísta, gene este que está aqui para sobreviver e agirá de forma conveniente até o seu final, isto é ser politico, isso está no nosso sangue, ser um homem hoje em dia não significa muita coisa então me resta agir daqui em diante com caráter renovado para não cometer com qualquer pessoa que seja, erros que cometi em outras situações que já vivi antes disso.
Eu vou seguir por mim pois não tenho outra forma de acabar com a minha dor, não vou viver com esperança mas no fundo e de verdade minha motivação sempre estará aqui, eu vou abafa-la para que eu não viva ilusões, expectativas frustrantes e desgaste desnecessário de energia emocional.
Guardo todo o amor do mundo para a Mirella, sou grato por tudo e devo muito a ela, mulher de verdade e que tem plena consciência de que está acima de tudo que vivemos até agora.

Vou seguir com um novo trecho que tirei de um livro muito bom:

"Até onde sabemos, de um ponto de vista puramente científico, a vida humana não tem sentido algum. Os humanos são o resultado de processos evolutivos cegos que atuam sem propósito ou objetivo. [...] 
Até onde podemos afirmar no presente momento, a subjetividade humana não faria falta. Portanto, qualquer significado que as pessoas atribuem a própria vida é apenas uma ilusão" 
(pág 402, Sapiens, Yuval Noah Arari.)

Vou usar esse trecho como um mantra para não me sentir mal comigo mesmo, se eu me sentir um lixo pela merda que eu fiz vou fazer mal para mim mesmo e minha vida segue.

28 de julho de 2017

O Escadão

Não sei como eu posso me sentir parte de um lugar tão ridículo como esse, é minha quebrada, faz parte da minha história, um escadão que passa a maior parte do tempo sujo e de repente de madrugada, é o lugar mais tranquilo e que pude por um segundo me aproximar de mim e perceber o quanto somos fracos, covardes mas ao tempo reconhecemos que até agora fomos fortes e não iremos fraquejar, só assim para equilibrar os sentimentos, um pouco de contemplação, observação e uma paz única. Com barulhos que a estragam mas que comprovam que é aonde eu vivo. 
Eu sigo nessas ruas por meses a fio em busca de algo efêmero e necessitando de cortesias, simpatias e conversas longas e inúteis. Matem em mim a minha carência, me brindem com a frieza. Preciso de sentir a frieza de outra pessoa no corpo a corpo, a frieza do bom sentido, se é que existe um. Acabo de deixar para trás o escadão que rapidamente me eleva e também leva pra baixo. Que paz. Acredito que posso sentir mais que isso e arrumar coragem para viver.   

15 de julho de 2017

Observações

Na música Preta de Quebrada da Flora Mattos há uma citação ao fundo que retrata perfeitamente meu relacionamento atualmente e acredito que muitas pessoas nem entenderam esse trecho.

"Saber como nos posicionar internamente
Pra que qualidades naturais brotem
Sem a gente precisar entrar em acordo
Sem a gente dizer assim: Cê vai me amar por 30, 20, 40, 50 anos?
Certamente a pessoa vai te amar, pra sempre
Mas talvez não da forma como a gente gostaria
Não no esquema em que a gente gostaria
As coisas vão mudando
As faces do amor podem mudar
Mas a gente não sabe, a gente não sabe se relacionar
Com a realidade nessa perspectiva, né? Da liberdade
Isso é convite pra ser adulto

Nós não vamos mais controlar a vida pra nós sermos felizes
Nós vamos nos responsabilizar pela nossa felicidade de forma autônoma
Nos conhecendo e como seres maduros, adultos
A gente vai dar liberdade para as pessoas
Serem o que elas são e o que elas podem ser
Isso é amor"

24 de junho de 2017

Conjuntura pessoal

Eu que sempre me orientei como anarquista por princípios e práticas cheguei a um nível ainda mais elevado dentro da anarquia. 

Tudo é efêmero e se torna utópico, e que diante da vastidão de princípios diferentes sobre as relações fica ainda mais difícil se falar sobre liberdade. Existe uma profunda crença enraizada na nossa sociedade de que relacionamentos são posses (ao ler a A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. percebo a relação de negócios de um casamento), ainda mais quando todo o viés de cunho romântico, que demanda uma troca de amor, é culturalmente cheio de imposições, é comercializado e criado na mente das pessoas como algo cheio de regras e o amor só acontece quando é livre e aprendi com meu relacionamento o que é isso.

Eu atingi o tão mal esclarecido amor livre, um amor verdadeiro e tão incomum que é visto de forma errada por causa destes velhos paradigmas, imposições machistas do passado. Somos sexualmente livres e eu precisava expressar isso, é uma conquista muito valiosa do meu ponto de vista anarquista, é algo que eu sei que as pessoas não aceitam bem pois maioria das quais conversei sobre o assunto não recebem bem esta informação, mas para mim é o contrário do que eles sentem, eu sinto elevação, evolução, não me importo com o que pensam sobre isso.

No inicio fiquei desnorteado mas depois percebi que era o melhor a se fazer.

Meu amor pela minha parceira permanece o mesmo e aumenta todos os dias da minha vida, mas com certeza esta liberdade sexual suprirá o que não podemos mais encontrar um no outro e nossa maturidade nos permite separar as coisas.

Este é um dos momentos mais felizes da minha vida pois é de perceptível evolução e revolução para mim é principalmente aquela que começamos em nós mesmos.